fbpx

Será que está na hora de você implementar a abordagem ágil nos seus projetos? Se você já fez essa pergunta antes, aqui vai um teste rápido:

  1. Você implementa projetos em um contexto de incerteza, onde as definições evoluem junto com a execução?
  2. Você tem dificuldades em calcular com precisão os recursos necessários para o projeto dada as estimativas no escopo?
  3. Você precisa reduzir os riscos da entrega para evitar surpresas desagradáveis no final do projeto?
  4. Você é pressionado para fazer entregas em uma velocidade cada vez maior?
  5. Você lida com tecnologias ou tendências que mudam mais rápido que a entrega do seu projeto?

Se você respondeu sim a pelo menos uma dessas questões devo te dizer que SIM, você precisa aceitar o ágil em sua vida.

O que você precisa saber sobre o ágil

Ágil não é uma metodologia. Esta provavelmente é uma surpresa para muitos, mas se você tirar um tempo para olhar os valores e princípios prescritos no Manifesto Ágil, não irá encontrar nenhum método. Ao invés disso, vai achar orientações sobre como escolher métodos e procedimento que funcionem melhor para seu time.

O Manifesto Ágil não prescreve a forma como seu time deve trabalhar, mas foca em ajudar você e seu time a pensar e a interagir de uma forma a alcançar agilidade.

Agilidade é a habilidade de se adaptar continuamente e constantemente fazer melhorias na forma como você trabalha.

Se o ágil não é método, então quais são?

Embora o ágil não seja uma metodologia há uma série de métodos que podem ser usados para implementar os princípios e valores ágeis. Vamos conhecer alguns.

Scrum

Um dos mais aplicado é o SCRUM. O Scrum especifica uma série de rotinas para trabalho do time, como:

  • Runiões diárias em pé (sim, de pé! Pois são apenas 15 minutos)
  • Sprints com duração fixa
  • Demonstrações dos produtos e retrospectivas (que funcionam como lições aprendidas a cada Sprint).

O Scrum fornece ferramentas poderosas para suportar o ágil. Mas não são as rotinas que formam um time ágil. O método é meio, não o fim.

Nosso objetivo não deveria ser implementar métodos ágeis, mas resolver problemas de forma ágil.

Qual método escolher para qual momento?

Além do SCRUM, há uma série de métodos e práticas que tem sido usadas para tornar times mais ágeis na resolução de problemas. A Agile Alliance criou um diagrama como um mapa de metrô que facilita a visualização dessas práticas, que compartilham vários pontos entre si:

(https://www.agilealliance.org/agile101/subway-map-to-agile-practices/)

Modelo mental ágil

O sucesso da introdução da abordagem ágil em seu time vai além da disciplina no estabelecimento de rotinas. É preciso promover uma verdadeira e profunda mudança na mentalidade típica de gestão de problemas.

No ágil não há um gestor hierárquico do projeto. E sim um time autônomo e flexível, que precisa desbloquear os impedimentos na medida em que eles aprecem.

Não há silos ou áreas funcionais. Mas times multifuncionais, que se organizam em torno de suas capacidades em volta do problema a ser resolvido.

O cliente não é um ente no final do processo — que recebe um produto pronto — no ágil. Mas alguém que interage e co-desenvolve o projeto, validando e dando feedbacks a todo tempo.

Transição tradicional –> ágil

Uma pesquisa da Scrum Alliance (uma organização independente com mais de 400.000 membros) descobriu que 70% dos praticantes do ágil reportam tensões entre seus times e o resto da organização. Não é de se admirar: eles estão seguindo caminhos e velocidades diferentes.

Por essa razão, um modelo estruturado de transição entre o tradicional e o ágil que comece em projetos pilotos é necessário para alcançar uma implementação ágil bem sucedida.


Este texto de Clarisse Gomes integra a sessão de artigos do blog do Conquer Labs, em que profissionais de renome do mercado são convidados a escrever sobre inovação.

Clarisse Gomes

Clarisse Gomes

Gerente de Inovação na Deloitte, Clarisse Gomes é engenheira civil por formação, pós-graduada em Inovação e Tecnologia pelo MIT. No Instagram, criou um canal para tornar a inovação mais simples e acessível: o @inovasimples.

Deixe uma resposta